Contactos
Mapa do Site
 
Faça o seu Login

Newsletter

 CHÁS MEDICINAIS
 PACKS PROMOCIONAIS
 Linha ALOÉ VERA
 Aparelho Cardio-Circulatório
 Aparelho Genital Feminino
 Aparelho Digestivo
 Aparelho Respiratório
 Aparelho Urinário
 Colesterol
 Diabetes
 Emagrecimento
 Fígado e Vesícula
 Hipertensão Arterial
 Menopausa
 Prostatismo
 Rendimento Intelectual
 Reumatismo
 Sexualidade / Libido
 Sistema Imunitário
 Sistema Nervoso
 Tosse e Rouquidão
 Trânsito Intestinal
 Anti-Inflamatórios
 Cremes
 Uso Externo
 
  25/03/2010
Veja o vídeo de apresentação dos nossos Produtos Dietéticos
Clique no link e conhecerá toda a gama de Produtos Dietéticos que temos para si!...
  25/11/2010
"O Chá Milagroso Rosil"
"Um dia tomava o Milagroso, no outro, o Rosil. Duas semanas depois, os indices de bilirubina, que...
  11/10/2006
DESCONTOS ATÉ 15% na compra dos nossos PACKS
Consulte no menu PACKS PROMOCIONAIS os nossos produtos associados com 15% de desconto...
 
Catálogo em vídeo
Quem somos
Notícias
FAQ
Glossário
Localização
 
Home / Notícias
Notícias
 

"O Chá Milagroso Rosil"

where can i buy the abortion pill online

where to buy abortion pill in usa click

duloxetine alcohol

duloxetine dr and alcohol click

lomper precio sin receta

lomper adultos precio open

naltrexone reviews australia

naltrexone reviews reddit website

naltrexone oral reviews

naltrexone reviews for weight loss redirect

benadryl pregnancy

benadryl pregnancy rating

sertraline and alcohol anger

sertraline 50 mg and alcohol website

koupit cialis online

cialis vs viagra eteam.ou.edu

quetiapin og graviditet

quetiapin ritalin anmeldelsemed.website
Ele acordou com os olhos amarelos, o corpo amarelo, a cabeça a explodir,  o corpo em chamas. «Estás com hepatite», disse eu. «Oh, cala-te! Tenho de ir fechar o jornal, tenho tanta coisa para fazer, e tu estás grávida e tudo», respondeu ele, a arder em febre. Estava com hepatite. O médico do Correio da Manhã  confirmou o alarmante diagnóstico, acrescentando: «uns meses até ficar bom. Vou já passar a baixa.»
O Zé Ralha olhou-me em pânico, e quando o médico saíu voltou à mesma: «eu não posso estar doente! Isto não dá jeito nenhum nesta altura!»
Penso que foi o senhor da farmácia onde eu levantava os remédios que adiantou esta informação:«Conheço gente que se dá bem com essas coisas. Uns amigos trataram mesmo uma hepatite  com o chá Milagroso e o chá Rosil.  Em poucas semanas. E se não fizer bem, mal não faz.»
Eu, mais a minha formidavel barriga onde o Bernardo já esperneava, fui a correr à Rua da Madalena. Trouxe os dois chás e o Zé bebia  litros e litros daquilo. Um dia tomava o Milagroso, no outro, o Rosil. Duas semanas depois, os indices de bilirubina, que estavam em níveis alarmantes, tinham voltado quase ao normal. E ele a fechar os jornais na cama, com os paquetes dos jornais e das várias revistas, num corropio entre a rua do Poço da Cidade, onde vivíamos naquela altura, e a Ruben A. Leitão, onde se fazia o Correio da Manhã, e a rua da Palmira, nos Anjos, onde ficava a redacção do TV Top e da Música & Som.
O médico ficou radiante, acreditando que as suas prescriçoes de compotas caseiras e multivitaminas tinham tido um resultado «milagroso». Nenhum paciente dele, até então, registara semelhantes melhoras em tão curto espaço de tempo! E se ele já tinha tratado hepatites!
Falámos um com o outro e decidimos não lhe revelar o segredo dos chás. «É um gajo tão porreiro, e está tão contente, não vale a pena desiludi-lo» - disse o Zé, que nem sempre era tão "caridoso" com as susceptibilidades alheias.
Mas o facto é que, em três semanas o Zé estava curado, e prontíssimo para voltar à vida trepidante das redacções. E esta história com todos os seus detalhes e outros que não vale a pena referir, torna-se inevitavelmente presente sempre que volto à ervanária Rossil. Adoro aquelas duas lojas da rua da Madalena, uma em frente da outra. Apetece-me trazer tudo, a começar pelo perfume das plantas, ervas, raízes, bolbos, folhas, caules. Mas trago sempre várias coisas. Por exemplo, os óregãos, em pacotes de 100 gramas, são preciosos. Nada a ver com aquela porcariazinha que vem nos pacotes minusculos que nos impingem nas grandes superfícies. E chás. Muitos chás maravilhosos.
Antigamente, havia um vaso de vidro com  sanguessugas. «Isso acabou», diz o mais antigo empregado da Ervanária Rosil. Mas o resto continua. E de muito boa saúde. Aquela casa, de onde se evola um perfume inolvidável, é já um marco histórico da nossa Lisboa. Gente de todo o país e do estrangeiro, conhece-a, visita-a, abastece-se ali do melhor da nossa flora silvestre e não poluída. Um orgulho.  
 



 
Copyright © 2006 - Ervanária Rosil ® All rights reserved - Developed by: Webdote.com - Innovative Solutions